DICAS PARA  AJUDAR VOCÊ NA ESCOLHA CORRETA DA ÁRVORE  QUE PRETENDE PLANTAR

coloque o mouse em cima da foto e tenha as informações ou click para ampliá-la

Que árvore devo plantar em minha cidade?

Sabemos muito os valores que tem uma árvore para o Meio Ambiente. Mas quando vamos plantar uma árvores não encontramos informações necessárias para escolher a espécie correta para o local onde iremos plantá-la. Esta matéria pretende ajudar as pessoas que se preocupam com o Meio Ambiente e querem contribuir para que ele seja preservado sem ter aborrecimentos futuros.

Escolha ao lado a árvore que

mais se adapte ao seu imóvel

Ipê amarelo

Ipê amarelo

Ipê amarelo - Árvore de 6 a 14 m de altura, com tronco tortuso. Folhas opostas, compostas, com 5 folíolos densamente pilosos, principalmente na face inferior que também é mais clara, de 4 a 9 cm de comprimento por 3 a 5 cm de largura, pecíolo de 3 a 5,5 cm de comprimento. Flores com corola amarelo-ouro, de 4 a 5,5 cm de comprimento; cálice tubuloso com glândulas.

Ipê Rosa

Ipê Rosa

De crescimento bem rápido em regiões livres de geadas (em 2 anos ela atinge 3,5 metros), pode atingir até 35 metros.É originária da Bacia do Paraná, conhecida também por piúva. Floresce abundantemente de Junho a Agosto, e prefere climas mais quentes, porém num Inverno seco e ameno, ela oferece também uma linda florada no começo da Primavera. Ideal para áreas isoladas, ou paisagismo de grandes avenidas, o Ipê Rosa prefere solos férteis e bem drenados. É largamente empregada no paisagismo em geral

Ipê Roxo

Ipê Roxo

O ipê-roxo é uma ótima árvore ornamental para arborização urbana, de crescimento moderado a rápido, que não possui raízes agressivas. Pode tornar-se inconveniente durante a quedas das folhas ou flores, provocando sujeira na via pública ou ao alcançar a fiação elétrica ou de telefone, devido a sua altura, que podem ultrapassar 12 metros. Sua floração é maravilhosa e recompensadora e atrai polinizadores, como beija-flores e abelhas.

Ipê Branco

Ipê Branco

O ipê-branco é uma árvore decídua, de floração exuberante, nativa do cerrado e pantanal brasileiros. Ele apresenta tronco reto, com cerca de 40 a 50 centímetros de diâmetro e casca fissurada. Apresenta porte pequeno a médio, alcançando de 7 a 16 metros de altura quando adulta. A copa é piramidal, com folhas compostas, trifoliadas e de cor verde-azulada. A floração geralmente ocorre no final do inverno ou primavera, entre os meses de agosto e outubro.

Manduirana - Fedegoso

Manduirana - Fedegoso

Nome cientifico: Senna macranthera Nomes populares: Fedegoso, Manduirana Características: Árvore de pequeno a médio porte, 6 a 8 metros de altura, folhas compostas de 4 folíolos de 20 cm. Floração amarela muito vistosa, em cachos. Utilidades: Muito ornamental, e usada no paisagismo e jardinagem. Época de floração e frutificação: Floresce em Janeiro a Maio.

Noivinha

Noivinha

além de Noivinha. Ela é conhecida também com os seguintes nomes: mês de maio, neve da montanha, cabeça branca, leiteiro-branco, cabeleira-de-velho, flor-de-criança, chuva-de-prata.Durante o mês de maio, suas folhas verdes, ficam brancas, tornando-a linda e encantadora. Em junho suas folhas já voltam a colocaração verde normal. É uma árvore de porte pequeno, que não atinge 3 metros. Não agride a calçada e nem prejudica a fiação elétrica.

Sibipiruna

Sibipiruna

A Sibipiruna é uma espécie da família das leguminosas e atinge altura de 08 a 16 metros, com tronco de 30 a 40 cm de diâmetro. Costuma viver por mais de um século, pela semelhança da folhagem, muitas vezes é confundida com o pau-brasil e o pau-ferro. Também é conhecida como coração-de-negro, pela semelhança da semente com um coração. Os frutos, que surgem após a floração, são de cor bege, achatados, medem cerca de 3 cm de comprimento e permanecem na árvore até março.

Canafistula, angico ou Faveira

Canafistula, angico ou Faveira

Canela Sassafraz

Canela Sassafraz

Canela Sassafrás ou Sassafrás (Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer; Lauraceae) é uma espécie da flora brasileira ameaçada de extinção do ecossistema da Mata Atlântica , segundo o IBAMA. Floração: Dez./jan. Cor das flores: Amarelas Frutificação: Mai./jun Observações: A Canela sassafrás é utilizada para a retirada do óleo sassafrás, móveis e também construções em geral. Sinonímia botânica: Aydendron suaveolons; Laurus odorifera; Mespilodaphne indecora intermedia; Mespilodaphne pretiosa;

Mulungu

Mulungu

O mulungu é uma planta já popular no Brasil. Talvez você não a conheça com seu nome científico, Chá de Mulungu, mas seus apelidos são conhecidos como bico de papagaio e erva corticeira. É uma planta típica da região centro oeste do país, podendo ser encontrada em outros Estados naturalmente também e plantada em hortas, mas com melhor adaptação a climas cecos. O chá de mulungu traz diversos benefícios a saúde e vale a pena incluir na dieta.

Salgueiro

Salgueiro

O salgueiro-chorão tem alto valor ornamental graças às suas características comuns a todas as espécies citadas acima. A altura máxima que um salgueiro-chorão atinge é de 25 metros com rizomas considerados invasivos e de crescimento vertical, por isso mesmo não devem ser plantadas perto de tubulações de água e esgoto. O tronco tende a ser ereto com alguns ramos tortuosos que dão à composição final um ar compacto; a madeira que o compõe é frágil e racha naturalmente com o tempo.

Pitangueira

Pitangueira

A pitangueira é uma árvore nativa da mata atlântica brasileira, onde é encontrada desde Minas Gerais até o Rio Grande do Sul. É uma árvore de porte pequeno a médio, com 2 m a 4 m de altura, mas pode alcançar, quando adulta, alturas acima de 6 m se está em ótimas condições de clima e de solo. As pitangueiras com frutos são um ótimo atrativo para pássaros e animais silvestres em geral.

Pau Brasil

Pau Brasil

A árvore do pau-brasil tem um tronco cheio de espinhos e seus galhos são duros e pontiagudos. A casca é pardo-acinzentada ou pardo-rosada e seu miolo é vermelho. Pode atingir até 40 metros de altura. As flores do pau-brasil são amarelo-ouro e seu fruto libera sementes, medindo de 1 a 1,5 centímetros de diâmetro. Em 1961, o pau-brasil foi declarado árvore símbolo nacional. Em 1972, uma lei declarou o pau-brasil a Árvore Nacional, instituindo o dia 3 de maio como seu dia.

Aroeira

Aroeira

Aroeira é uma árvore de 3 a 15 m de altura, dotada de copa arredondada. O tronco geralmente é curto e tortuoso, com casca externa grossa e fissurada, de coloração cinza escuro a preta, e casca interna avermelhada e com forte aroma. As folhas são compostas, alternas, imparipenadas, membranáceas e verde-escuras. Os frutos amadurecem de dezembro a junho e são amplamente consumidos por pássaros, o que explica sua ampla disseminação.

Timburi

Timburi

Nome Científico: Enterolobium contortisiliquum (Leguminosae - Mimosoideae) Características: Espécie arbórea com altura de 20-35 m, dotada de copa ampla e tronco revestido por casca fina de cor acinzentada e 80-160 cm de diâmetro. Folhas alternas espiraladas, compostas bipinadas. Flores brancas dispostas em inflorescências e frutos do tipo vagem arredondadas de coloração escura, contendo sementes duras e amareladas.

Calistemo (escova de garrafa)

Calistemo (escova de garrafa)

As escovas de garrafa ainda são classificadas como arbustos, arbustos tropicais, árvores, árvores ornamentais. Desenvolvem-se muito bem em climas como mediterrâneo, subtropical, tropical e temperado. Podem ser encontradas também em outros pontos da Oceania. Não são plantas que crescem muito em termos de altura, ficam entre 2.4 a 3.0 metros;3.0 a 3.6 metros;3.6 a 4.7 metros;4.7 a 6.0 metros;6.0 a 9.0 metros; sempre vale lembrar que a altura depende da espécie a que ela pertencer.

Resedá Gigante

Resedá Gigante

O Resedá Gigante pertence à família botânica Lythraceae. Espécie arbórea de médio porte, atingindo entre 3 e 6 metros de altura e copa ampla, chegando até 3 metros de diâmetro. Suas folhas podem medir até 30 cm de comprimento por 13 cm de diâmetro. Quando jovens, são resistentes e de textura suave, porém à medida que vão envelhecendo, ficam mais duras e com textura áspera.

Faveiro

Faveiro

O Faveiro é uma árvore encontrada com certa freqüência nas matas, em toda a região. Na época de floração, no inicio do ano, se destaca bem. Características: Árvore de médio a grande porte, 15 a 25 m, em geral bastante copada. Folhas compostas bipinadas, 12 a 20 pares de pinas, 20 a 30 pares de folíolos por pina. Flores em cacho, normalmente voltado para cima, amarela. Fruto vagem achatada de 6 a 8 cm, marrom claro. Uma semente por vagem, 1 cm, cor clara.

Calicarpa

Calicarpa

A Calicarpa é uma arvore de médio porte, cresce de 7 a 10 metros, é muito versátil podendo ser cultivada como arbusto caso não receba podas, também pode ser usada em arborização aí então deve receber podas de formação para se obter um caule único sem ramos laterais. Suas flores são muito vistosas na coloração lilás e aparecem precocemente, mesmo ainda quando mudas. Quando em fruta esta árvore apresenta um belíssimo espetáculo da natureza reunindo os mais diversos tipos de pássaros frugívoros.

Escumilha

Escumilha

Escumilha ou Resedá Gigante pertence à família botânica Lythraceae. Espécie arbórea de médio porte, atingindo entre 3 e 6 metros de altura e copa ampla, chegando até 3 metros de diâmetro. Suas folhas podem medir até 30 cm de comprimento por 13 cm de diâmetro. Quando jovens, são resistentes e de textura suave, porém à medida que vão envelhecendo, ficam mais duras e com textura áspera. De maravilhosa beleza ornamental, é muito utilizado em grandes jardins, praças públicas.

Astrapéia

Astrapéia

A astrapéia é uma arvoreta ou arbusto de ótimas características ornamentais, que se espalhou pelo mundo por sua exuberância e popularidade. Ela apresenta ramos pubescentes, e porte pequeno para um árvore, alcançando cerca de 2 a 5 metros de altura. A astrapéia é uma árvore de rápido crescimento e baixa manutenção, que se destaca principalmente em plantios isolados, mas que pode ser parcialmente sombreada por outras árvores ou construções.

Cassia imperial, canafístula

Cassia imperial, canafístula

A Cassia Fistula ou popular chuva-de-ouro é uma árvore ornamental decídua, de floração espetacular, com seus belos cachos pendentes de flores douradas. De porte médio e crescimento rápido, ela alcança cerca de 5 a 10 metros de altura. Seu tronco é elegante, um pouco tortuoso, e pode ser simples ou múltiplo, com a casca cinza-esverdeada. A copa é arredondada, com cerca de 4 metros de diâmetro. As folhas são pinadas, alternas, com 4 a 8 pares de folíolos elípticos, acuminados e de cor verde-viva.

Unha de Vaca, pata de vaca

Unha de Vaca, pata de vaca

A pata-de-vaca (Bauhinia variegata) é uma árvore semidecídua e muito florífera, originária da China e da Índia, e largamente utilizada na arborização urbana no sul e no sudeste do Brasil. Apresenta porte médio, alcançando de 6 a 12 metros de altura, mas raramente passando de 10 metros.

Manacá da serra

Manacá da serra

O manacá-da-serra é uma árvore semi-decídua nativa da mata atlântica, que se popularizou rapidamente no paisagismo devido ao seu florescimento espetacular. Seu porte é baixo a médio, atingindo de 6 a 12 m de altura e cerca de 25 cm de diâmetro de tronco. As folhas são lanceoladas, pilosas, verde-escuras e com nervuras longitudinais paralelas. As flores apresentam-se solitárias e são grandes, vistosas e duráveis. A floração ocorre no verão e a frutificação no outono.

Oiti

Oiti

O oiti ou oitizeiro é uma árvore perenifólia, frutífera, originária das restingas costeiras do nordeste do Brasil e muito utilizada na arborização urbana. Sua copa é globosa, bem formada e cheia, produzindo excelente sombra e efeito ornamental. Suas raízes são profundas, não agressivas. O tronco é ereto e geralmente apresenta casca cinzenta e fuste curto, ramificando em seguida. Floresce no inverno, e suas inflorescências tem pouca ou nenhuma importância ornamental.

Oiti

Oiti

O oiti ou oitizeiro é uma árvore perenifólia, frutífera, originária das restingas costeiras do nordeste do Brasil e muito utilizada na arborização urbana. Sua copa é globosa, bem formada e cheia, produzindo excelente sombra e efeito ornamental. Suas raízes são profundas, não agressivas. O tronco é ereto e geralmente apresenta casca cinzenta e fuste curto, ramificando em seguida. Floresce no inverno, e suas inflorescências tem pouca ou nenhuma importância ornamental.

sapucaia

sapucaia

Conhecida como castanha-sapucaia, cumbuca-de-macaco ou simplesmente "sapucaia", esta árvore tem origem brasileira e é proveniente da Floresta Pluvial Atlântica. A sapucaia ou cabeça-de-macaco é uma árvore da família das Lecitidáceas (Lecythidaceae) existente na floresta amazônica e na Mata Atlântica, que pode atingir até 30 metros de altura e um metro de diâmetro, ainda que a maioria ronde os 5 a 15 metros de altura e 30 centímetros de diâmetro. Existem várias variedades como a sapucaia-mirim.

Grevillea Anã

Grevillea Anã

Arbusto ou arvoreta (4-6 metros), de aspecto exótico e florescimento muito ornamental. Apresenta folhas bastante recortadas e afiladas verde-acinzentadas na superfície e esbranquiçadas no verso. Inflorescências chamativas, compostas de muitas flores vermelhas, sem pétalas. Ocorre ainda uma variedade de flores brancas. A Grevílea floresce o ano todo atraindo muitos beija-flores.

Hibisco amarelo

Hibisco amarelo

O Hibisco é umas das plantas mais cultivadas nos jardins brasileiros, devido ao seu rápido crescimento, beleza e rusticidade. Há um grande número de variedades, que podem apresentar folhas estreitas ou largas, variegadas ou não e flores das mais diversas formas, tamanhos e cores. De característica tropical, o hibisco deve ser cultivado a pleno sol, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica com adubações periódicas para uma floração exuberante. Não tolera geadas.

Hibisco vermelho

Hibisco vermelho

O Hibisco é umas das plantas mais cultivadas nos jardins brasileiros, devido ao seu rápido crescimento, beleza e rusticidade. Há um grande número de variedades, que podem apresentar folhas estreitas ou largas, variegadas ou não e flores das mais diversas formas, tamanhos e cores. De característica tropical, o hibisco deve ser cultivado a pleno sol, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica com adubações periódicas para uma floração exuberante. Não tolera geadas.

Magnólia_amarela

Magnólia_amarela

A Magnolia amarela tem uma das mais belas flores de cor alaranjada, brilhante e delicada. Cresce em zonas tropicais e subtropicais, como uma árvore de tamanho médio, pode ser cultivadas em ambientes fechados, e em vaso grande, transformando sua casa em um oásis confortante. Esta árvore é mencionada em contos populares da Índia como a personificação da Deusa Lakshmi, que aumentar a riqueza da família. Uma única flor, relativamente pequena, enche o ar com aroma delicadamente doce.

Magnólia Branca

Magnólia Branca

A magnólia-amarela é uma árvore perenifólia a semidecídua, ornamental, originária do sudeste asiático e conhecida em todo mundo pelo delicioso perfume de suas flores. É considerada de porte médio, sendo que em cultivo ela alcança até 30 metros de altura, mas em seu habitat pode chegar a 50 metros, com até 1,9 metros de diâmetro de tronco.

Jacaranda Mimoso

Jacaranda Mimoso

O jacarandá-mimoso é uma árvore decídua a semi-decídua, de floração muito exuberante. Seu porte é pequeno, alcançando cerca de 15 metros de altura. No inverno, o jacarandá-mimoso perde suas folhas, que dão lugar as flores na primavera. Suas flores são duráveis, perfumadas e grandes, de coloração azul ou arroxeada, em forma de trompete e são arranjadas em inflorescências do tipo panícula. A floração se estende por toda a primavera e início do verão.

Oiti

Oiti

Salsa com pimenta

Salsa com pimenta

Quaresmeira

Quaresmeira

MANACA DA SERRA

MANACA DA SERRA

O manacá-da-serra é uma árvore semi-decídua nativa da mata atlântica, que se popularizou rapidamente no paisagismo devido ao seu florescimento espetacular. Seu porte é baixo a médio, atingindo de 6 a 12 m de altura e cerca de 25 cm de diâmetro de tronco. As folhas são lanceoladas, pilosas, verde-escuras e com nervuras longitudinais paralelas. As flores apresentam-se solitárias e são grandes, vistosas e duráveis. A floração ocorre no verão e a frutificação no outono.

Reseda

Reseda

Perfeita para as calçadas, o resedá é uma arvoreta que não possui raízes agressivas, além de ter um belo florescimento. Suas folhas são elípticas, com bordas onduladas. O tronco é muito belo, liso, de tons claros, marmorizado. Seu porte chega a 6 metros de altura. As inflorescências, formadas ainda no inverno, contém inúmeras flores crespas de coloração rosa, branca, roxa ou vermelha, de acordo com a variedade.

Primavera

Primavera

As primaveras devem ser cultivadas em solo fértil, previamente preparado com adubos químicos ou orgânicos, sempre a pleno sol. Oriunda de sul do Brasil, de característica subtropical, ela suporta muito bem o frio e às geadas, vegetando bem em áreas de altitude também. Requer podas de formação e de manutenção anuais, para estimular o florescimento e renovar parte da folhagem. Multiplica-se por sementes, alporquia e estaquia.

Cerejeira

Cerejeira

Árvore de folhagem caduca e altura até 6,0 metros, muito ramificada, com a copa arredondada e lento crescimento. No outono a árvore perde a folhagem e quando ocorre a floração as folhas ainda não apareceram, num efeito ornamental espetacular. Floresce no inverno e pode ser cultivada em regiões de temperaturas mais frias, como nas regiões de altitude do Estado de São Paulo e nos Estados do Sul do país.

Benefícios das Árvores - As Árvores atraem pássaros e polinizadores. Refrescam o ambiente e aumentam a umidade do ar. As árvores absorvem gás carbônico. Cada árvore consome em média 180 kg de CO2 por ano, o que reduz consideravelmente os efeitos desse gás no nosso planeta. Cada árvore plantada é uma enorme contribuição para o combate ao efeito estufa

As arvores ajudam na manutenção e recuperação da capacidade produtiva do solo, conservam os lençóis freáticos, preservam as margens dos rios, por isso da importância de se preservar matas ciliares e arborizar as margens dos rios e ribeirões que cortam as cidades. 

Temos que ter essa consciência, que

devemos plantar árvores, mas acima

de tudo, gostar das árvores, gostar

de tê-las em nosso quintal, calçada,

nas praças, nos parques e nas matas. 

Quem gosta planta. Mas plantar o quê?

Qual árvore plantar?

É essa a questão. Gostar de árvores não

é sair por ai plantando qualquer espécie

que vem em mente. Ou por achar que é

bonita, que tem flores lindas. Não é por ai.

Alguns aspectos têm que ser levados em conta:

Qual o bioma da sua região? Por exemplo, se for Cerrado, o mais adequado é plantar árvores do Cerrado. Se numa região de cerrado você planta árvores nativas da Mata Atlântica poderá ter problemas futuros já que as árvores não terão um desenvolvimento natural, por ser de outro bioma. Teria que se adaptar e geralmente sofre modificações devido a diferenças climáticas. Árvores exóticas, de outros biomas ou países, são consideradas invasoras, podem inclusive desequilibrar o meio ambiente e prejudicar o desenvolvimento da fauna nativa.

Conheça o porte da árvore que quer plantar. Procure saber se ela tem raízes agressivas, se estouram asfalto, calçadas e danificam as redes elétricas e tubulações, o Ficus é uma espécie que pode trazer problemas futuros pois as raízes dele danificam os sistemas de esgoto.

Se forem plantar árvores frutíferas na sua calçada, veja antes se o tipo de fruto produzido pela árvore não traria problemas. Por exemplo, um pé de abacate em sua calçada geraria problemas sérios quando os frutos caírem ao chão porque levaria risco de escorregões e acidentes aos pedestres. Manga também, bem como e outras frutas cujas polpas e cascas são escorregadias se ficarem no chão. 

Em todas as cidades tem técnicos e órgãos especializados na área de meio ambiente. Antes de escolher uma árvore para plantar em sua calçada, procure a Companhia de Água, a empresa de Luz e a Prefeitura de sua cidade. Também pode procurar o IEF e Ong´s ambientais se tiver em sua cidade. Veja antes a opinião deles.

Abaixo segue uma lista de árvores ideais para plantio em locais com pouco espaço
Abaixo segue uma lista de árvores ideais para plantio em locais com bastante espaço

Espécies que não são aconselháveis o plantio por causar problemas

A Murta-de-cheiro é um arbusto grande ou arvoreta, que pode alcançar até 7 metros de altura. Muito utilizada para a formação de cercas-vivas, a murta-de-cheiro apresenta ramagem lenhosa e bastante ramificada. Suas folhas são pinadas, com 3 a 7 folíolos pequenos, elípticos, glabros, perenes, brilhantes e de coloração verde-escura. A murta-de-cheiro é sensível a cochonilhas, pulgões, nematódios, mosca-branca e clorose férrica. Além disso é hospedeira do psilídeo Diaphorina citri, transmissor do Greening dos Citros (doença causada pela bactéria Candidatus Liberibacter americanus). Esta doença causa sérios prejuízos econômicos à citricultura.

Ficus benjamina é uma árvore perene de 10-15 metros de altura, nativa da India, China, Filipinas, Tailandia, Austrália e Nova Guiné. Cuidado ao usar esta árvore! Ela  é muito usada como planta ornamental dentro e fora de casa.  É usada em vasos e tolera ambientes ventosos, frio, inverno rigoroso, verão quente e seco, ou seja, é super resistente e o seu grande problema é o sistema radicular super agressivo.  As raízes desta árvore entopem canos, arrebentam os vasos (mesmo os de cimento), rompem calçadas e as raízes vão causando o maior estrago por onde se alastram. Também é provida de raízes aéreas. Esta espécie de Ficus benjamina,  exótica, quando pequena até se pode cultivar em vasos, mas conforme crescem vão ficando enormes e não se deve replantar em qualquer lugar em função das raízes poderosas e do tamanho adulto da árvore. Se for plantar no solo, plante em locais grandes, sem calçadas, sem redes elétricas aéreas, nem tubulações de qualquer espécie.

Visitas

ZecaGarcia

Estância Piraju

By ZecaGarcia - e-mail zecagarcia51@gmail.com